sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Começar de novo.





Voltar a estudar, resolver mudar para a profissão dos seus sonhos, não necessariamente a mais lucrativa, sair da segurança da casa dos pais e passar a escrever a sua própria história...
Tantos meios de se recomeçar a vida.

O engraçado é o ‘começar' uma relação.

Sabe quando você sente em cada artéria, em cada veia, o sangue a acelerar sua velocidade e percorrer todo o nosso corpo na metade do tempo que normalmente levaria? Sem estar correndo, ou fazendo outra atividade física... Apenas a observar alguém se aproximar.

Sim! Alguém! E me permitam dizer, um alguém inigualável!

Poucas são às vezes na vida em que sentimos plena certeza de algo. E confesso, nem mesmo eu havia experimentado tamanho sentimento.
Talvez o problema desse ‘começar’ seja a insegurança. Estamos tão acostumados a cair, que esperamos sempre o próximo tombo. Quando tudo está dando certo, paramos e concluímos: “há algo errado!”.

Será de natureza humana esse medo? Ou a natureza nada tem a ver com isso e seja apenas mais um dos neuróticos problemas da humanidade?

Uma coisa é fato! Oh Amor... Amor... Amor! Tendes angustiado muitos poetas, que buscam em ti significados. E essa busca os levam a um lado empírico, pois não devem se preocupar com o significado dos sentimentos, como o próprio nome diz, ele deve ser sentido,  não traduzido ou compreendido.

A um poeta em especial, o ‘alguém’ a quem tanto anseio, peço-lhe paciência. Pois se tu estás a aprender a amar, eu também estou. Como digo, desta vida, sou apenas uma reles aprendiz.



A essa palavra ‘Amor’, informo-lhe que das vezes em que eu a proferi inocentemente, jamais encontrei significado. Mas ao seu lado, descobri nela um sentido, uma beleza avassaladora, uma vontade grandiosa de ser... EU! E estar com você.
Meu poeta não me importa se queres se tornar um nobre ou um camponês. Encorajar-te-ei!  Para que realizes todos os seus sonhos. Deus me permita poder sempre ajuda-lo.
Os meus sonhos? Encontrá-lo era o mais secreto deles. Os demais, são planos!
Como todos, tenho medo. Mas por você, resolvi recomeçar. Pois tens me dado força para enfrentar essa grande luta chamada vida. O calor de seus braços me transmite segurança, e seu olhar... O olhar, espelho da alma! Vejo-me através dele.

“Já não há mais talvez...”

Apenas espero que não me deixes morrer no mar para salvar seus versos.

“Agora eu sei, exatamente o que fazer, vou recomeçar! Poder contar com você!”
Chorão.
 
Aos temerosos, ousem! Pois cautela não é sinônimo de covardia.

“Um novo caminho, uma história, dessa vez, escrita por cada um de nós.”

Não faça de sua vida um rascunho, pois não poderá passá-la a limpo!

Covarde não é aquele que chora por amor... E sim aquele que não ama por medo de chorar!

Agora chega de clichês. E vamos apenas...
#Recomeçar!


Nenhum comentário:

Postar um comentário